Ver o nascimento de uma Casa de Axé é um privilégio sem tamanho. São momentos ímpares, onde preceitos com

entoações de Cantigas a algumas divindades são realizadas somente uma única vez.

 

Pessoas que estavam ao meu lado viram nascer o Ilê Axé Edún Ará Oba - Axé de Aganjú, uma raiz do Ilê Axé Yá

Nassô Oká de Salvador – BA.

 

O Egbé existe e a vontade de perpetuar o Axé de Xangô também.

 

Eu. Eurico Ramos carrego o sonho e a bandeira não só de ver a chegada de novos filhos-de-santo, como também e de

poder prestar, além de assistência espiritual, também a de cunho social a comunidade.